12 formas de humilhações praticadas contra as mulheres ao redor do mundo

E não é só nos países islâmicos, que representam quase um terço da Humanidade (1,8 bilhão de pessoas), mas também nos países cristãos (onde se insere o Brasil), onde a perseguição às mulheres tem-se centrado na parte econômica: a mulher sempre ganha menos do que o homem em qualquer função que exerça.

Entre a tragédia da extirpação do clitóris e a proibição de dirigir carros, fizemos uma lista de obscenidades e demonstrações de estupidez a que os machos submetem as fêmeas ainda nos dias de hoje:

1) Clitoridectomia ou ablação do clitóris ou excisão do clitóris – nos países muçulmanos (Marrocos, Mauritânia, Mali, Argélia, Tunísia, Líbia, Egito, Sudão, Chade, Níger, Nigéria, Somália, Yêmen, Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos (inclusive Abu Dhabi e Dubai), Oman, Qatar, Bahrein, Kuwait, Iraque, Irã, Turquia, Afeganistão, Paquistão, Turcomenistão, Indonésia, Brunei Darussalam e outros) a menina, ao nascer ou antes de ter a primeira menstruação, tem seu clitóris arrancado ou até mesmo a costura dos lábios vaginais (infibulação). A intenção é aplacar o desejo sexual das mulheres. Muitas morrem ao redor do Mundo Islâmico por causa disso. Em alguns países é permitido legalmente, em outros, como no Egito, não é permitido, mas os pais fazem e fica por isso mesmo.

2) Mulher não pode dirigir carro na Arábia Saudita e na maioria dos países islâmicos. Só que na Arábia Saudita é oficial e, nos outros, há um desestímulo cultural à mulher dirigir.

3) Nos Estados Unidos estão as leis mais idiotas contra as mulheres, algumas delas dizem, por exemplo, que mulher não pode usar um sapato de couro brilhante para não refletir a calcinha como se fora um espelho (estado de Ohio); mulher não pode pilotar nem viajar de avião de shortinho se tiver mais de 90 kg (sic), na Geórgia; mulher que não for casada com um homem, mas entrar num hotel e se registrar no mesmo quarto que ele, está casada oficialmente com aquele homem a partir dali (Carolina do Norte); mulher pode fazer top less no estado de Nova York, “desde que não tenha fins lucrativos” (sic).

4) Na Colômbia, especialmente na cidade de Cáli, a primeira noite de uma mulher com seu marido tem que ter a mãe presente no quarto.

5) Em Hong Kong, mesmo agora pertencendo à China Comunista, um homem pode matar sua mulher do jeito que quiser (tiro, paulada, pedradada, enforcamento…), se pegá-la cometendo adultério. Já a mulher, só pode matar o marido adúltero se for com as mãos, isto é, como mulher é, geralmente, mais fraca que o homem, não se tem muitos registros de mulher que matou o marido adúltero, mas há milhares de maridos cornudos que mataram as esposas.

6) Em Guam, no Pacífico, uma mulher só pode casar se não for mais virgem e, aí, surgiu uma curiosa profissão: a dos homens que saem pela ilha tirando a virgindade das mulheres para que elas estejam aptas ao casamento.

7) Nos Emirados Árabes Unidos (onde os turistas ocidentais, inclusive brasileiros, agora se divertem em Abu Dhabi e Dubai), uma mulher só pode entrar num táxi dirigido por mulher e como quase não há táxis dirigidos por mulher, as mulheres ficam a pé.

8) Na maioria dos países islâmicos listados acima, uma mulher só pode viajar de uma cidade para outra ou de um país para outro, na companhia do pai ou do marido.

9) Mulher em país muçulmano e mesmo mulher islamita que viva no Ocidente, não pode escolher com quem vai casar. Isto é uma decisão do pai dela, que vai escolher o marido segundo suas conveniências pessoais.

10) Mulher muçulmana que tenha feito sexo antes do casamento será morta, mesmo que tenha sido estuprada. Para o estuprador não há muita punição.

11) Na Índia (país de 1,263 bilhão de pessoas…), as mulheres não podem escolher os maridos também. Quem escolhe é o pai da mulher, que a negocia como se fosse mercadoria. Há mulheres que são entregues aos seus maridos aos 8 anos de idade, mesmo que o marido tenha 40, 50, 60 ou 70 anos de idade.

12) Há denúncias de que meninas são vendidas pelos pais por 100 dólares no Sri Lanka, o antigo Ceilão.

Compartilhe:

Deixe seu recado