4º Encontro da Mulher da CTB reuniu classistas de toda a Bahia

“O Encontro foi muito positivo, pois mostrou debates muito proveitosos sobre questões que temos que enfrentar no nosso dia. Avançamos também na compreensão  sobre a importância da participação dos homens na luta pela igualdade de direitos das mulheres. É cada vez mais forte a percepção que esta igualdade só será conquistada com a união de forças de homens e mulheres empenhados nesta busca”, avaliou a secretária de Mulher da CTB Bahia, Marilene Betros.

Entre os saldos positivos do evento, destaca-se ainda  a criação de um Coletivo de Mulheres Classistas, que vai atuar junto aos sindicatos para a criação de secretarias de  gênero dotadas de orçamento, bem como o fortalecimento das existentes com mais recursos para um funcionamento mais proativo junto às suas bases e ao movimento de defesa dos direitos da mulher.

Os participantes elegeram também as delegadas e os delegados da Bahia para o 2º Encontro Nacional de Mulheres Trabalhadoras da CTB, que acontece entre os dias 22 e 24 de maio, em Brasília.  “Nos encontros estaduais estamos discutindo a ampliação da participação das mulheres nas direções dos sindicatos e nos espaços de decisões políticas deste país, pois não poderemos fazer modificações se as mulheres não participarem da política. O que está acontecendo no Congresso Nacional é fruto da baixa representação das mulheres, dos trabalhadores e dos grupos mais pobres da população. Então, os empresários, latifundiários e os mais ricos estão lá ameaçando retirar os diretos e avanços dos últimos anos. Precisamos aumentar a participação da  maioria da população, pois os sindicatos e centrais sindicais sozinhos não poderão fazer estas mudanças de fundo que o país precisa”, acrescentou Ivânia Pereira, secretária Nacional de Mulher da CTB.

Moção de repúdio

O 4º Encontro da Mulher Trabalhadora da CTB Bahia aprovou também uma moção de repúdio contra os deputados federais Roberto Freire (PPS-PE) e Alberto Fraga (DEM-DF), que  agrediram física e verbalmente a líder do PCdoB na Câmara, deputada Jandira Feghali (RJ), em sessão da Câmara dos Deputados na semana passada.

“Não podemos aceitar mais este ato de violência e preconceito contra o direito da mulher escolher seus caminhos e campos de atuação. A agressão não foi apenas contra a Jandira, mas contra todas as mulheres”, defendeu Marilene Betros.

Fonte: CTB Bahia

Compartilhe:

Deixe seu recado