Absurdos na DI SANTINNI

A tarde da última quarta-feira foi marcada por muito protesto e indignação nos principais pontos do comércio da capital baiana. Os dirigentes sindicais se reuniram na frente da loja DI SANTINNI, na av. Sete de setembro, e protestaram pelo absurdo que vem acontecendo na rede de calçados.

No final do mês, quando é feito o balanço das mercadorias, a loja responsabiliza os funcionários pelos pares de calçados que estão trocados, quando na verdade não se sabe se os calçados vieram trocados de fábrica ou por descuido de algum trabalhador. E ainda por cima, depois dos valores serem descontados do contra-cheque os trabalhadores não tem o direito de levar o sapato para casa, porque é enviada para a fábrica e devolvido para a empresa com as devidas correços.

Durante as manifestações, que aconteceram simultaneamente nas lojas da av. Sete, Joana Angélica e Shopping Center Lapa, os sindicalistas distribuiram panfletos e chamaram a atenção da sociedade para outra prática abusiva que vem acontecendo na empresa. “ Identificamos também que a DI SANTINNI, além de responsabilizar os trabalhadores pelos pares de calçados trocados, não está colocando no contra-cheque dos funcionários os ganhos reais das comissões dos trabalhadores, o que implica no FGTS, aposentadoria e licenca maternidade”, afirmou o presidente do sindicato, Jaelson Dourado.

De acordo com Elisney Fonseca, que além de diretor do Sindicato é funcionário da rede, essa é uma prática que já vem ocorrendo há algum tempo na empresa,  mas só agora os trabalhadores,  indignados com a situação,  resolveram denunciar.

Segundo Jaelson, em vários momentos o Sindicato chamou a empresa para reuniões na sede da categoria, mas a mesma não compareceu para dar explicações e tampouco solucionou o problema. “Estamos fazendo a denuncia pública e vamos chamar no Ministério do Trabalho. Já fizemos a solicitação de uma reunião junto à Superintendência do Ministério do Trabalha (DRT), se não resolver,  vamos levar o problema até o Ministério Público”, reitera o diretor.

Compartilhe:

Deixe seu recado