Ato lembra 7 anos da morte do casal Paulo Colombiano e Catarina Galindo

Sete anos após o assassinato do sindicalista Paulo Colombiano e de sua esposa Catarina Galindo, a CTB Bahia juntamente com familiares e amigos realizaram na manhã desta quinta-feira um protesto um protesto para pedir mais agilidade no andamento do processo e punição aos envolvidos. O ato foi realizado em frente ao Tribunal de Justiça da Bahia, no Centro Administrativo, com a presença de lideranças do movimento sindical e social.


Os suspeitos de participação nos homicídios continuam soltos e o caso está na Jusça, ainda sem julgamento. “Todos eles estão em liberdade, não por falta de provas, mas sim porque eles utilizam dos recursos jurídicos para postergar a penalidade. Eles cometeram um crime que completa sete anos de impunidade. Esse processo já tem anos e não tem nenhuma perspectiva para condenação. Acredito que se fossem condenados na Câmara do Tribunal, seria por unanimidade”, ressaltou Geraldo Galindo, irmão de Catarina e cunhado de Paulo.

O presidente da CTB Bahia Pascoal Carneiro ressaltou a importância da manifestação de forma pacifica para lembrar as autoridades que o caso não pode ficar impune. Estamos aqui para pedir punição. Defendemos que os mandantes e executores sejam encaminhados a júri popular, pois não esquecemos o brutal assassinato que vitimou dois queridos amigos atuantes. Vamos continuar pressionando para que aja mais agilidade no andamento do processo e apresentar os resultados não só à família, mais também para toda a sociedade”, concluiu.


Durante o protesto, o Presidente da CTB Bahia Pascoal Carneiro, o Presidente do sindicato dos rodoviários Hélio Ferrei e o irmão de Catarina, Geraldo Galindo foram recebidos pela desembargadora Rita de Cássia Machado Magalhães, revisora da ação penal, que explicou que o processo seguirá para a segunda turma da primeira câmara criminal, onde será julgado pelos demais desembargadores que a compõem.

Fonte: CTB Bahia

Compartilhe:

Deixe seu recado