Audiência Pública debate o panorama do câncer na Bahia

A incidência da doença no mundo cresceu 20% na última década, com registros de 12 milhões de novos casos ao ano, e pode chegar a 15 milhões até 2020, segundo estimativas. “Hoje pretendemos dar uma devolutiva do Fórum que aconteceu em dezembro de 2010, que teve apoio da Amercian Cancer Society, e fez um mapeamento da situação crítica e lamentável do câncer de mama na Bahia”, afirmou Romilza Medrado, presidente do Naspec.

Números

No Brasil, segundo dados da Organização Mundial da Saúde, os tipos mais comuns de câncer são: entre os homens, o de próstata (com 41,6 mil casos registrados) e pulmão (16,3 mil). Entre as mulheres, as maiores incidências são: mama (com 42,5 mil casos) e de colo do útero (24,5 mil).Na Bahia, em 2011 foram registrados 1735 novos casos da doença, e apenas 10,9% foram detectados no início, quando as chances de cura são maiores. “Temos realizado atividades como esta para debater e discutir os problemas e apontar soluções. Hoje temos um número exorbitante de mulheres que são acometidas anualmente com câncer de mama e não tem acesso fácil ao tratamento. Cabe a Camara acompanhar o executivo e fiscalizar o desenvolvimento das políticas públicas para evitar morte e mutilações”, disse a Vereadora Aladilce Souza, do PCdoB.

Parceria

A parceria entre o Naspec e Comerciários existe há cerca de 5 anos e são realizadas palestras e debates que levam informações e conhecimento à categoria sobre cuidados e prevenção da doença. “Fazemos capacitações de agentes multiplicadores porque conhecemos a seriedade do problema. As palestras de conscientização transmitem informações sobre a importância do auto cuidado e do auto conhecimento, que são as formas de detectar a doença precocemente, quando as chances de cura são maiores”, destacou Kátia Baldini, Enfermeira do Naspec

Mamografia

No caso do câncer de mama, a mamografia é o exame mais indicado para o diagnóstico da doença. E para realizar o procedimento gratuitamente pelo SUS, na Bahia existem 157 mamógrafos. Destes, 77 estão em Salvador, uma concentração que prejudica outras regiões.”De acordo com parâmetros estabelecidos por lei, 1 equipamento deve atender 240 mil mulheres. O quantitativo atende as necessidades, apesar da concentração em Salvador”, completou Olga Sampaio, Coordenadora da Sesab.

Compartilhe:

Deixe seu recado