Avon é condenada por danos morais

A funcionária entrou na Avon em fevereiro de 2008 como promotora de vendas. Em julho do mesmo ano ela foi promovida para gerente de vendas, cargo em que ficou até novembro de 2013, quando foi demitida. A indenização foi por dano moral e foi dado direito de incorporar o valor que recebia como comissão ao seu salário para cálculo do FGTS.

Recurso

Em nota, a Avon afirma “que tomou conhecimento da decisão proferida pelo Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região (CE) e que se valerá de todas as medidas judiciais cabíveis”.

Compartilhe:

Deixe seu recado