Baianos se unem em defesa da Justiça do Trabalho

“Este ato representa a união de toda sociedade em defesa da justiça do trabalho contra o corte orçamentário que foi imposto discriminatoriamente por que foi o corte superior aos demais ramos de poder e o poder judiciário é um poder da republica, além do que é a casa onde se discute e trabalha com direito social, com direito do trabalho“, afirma a presidente da Associação dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Amatra), Rosemeire Lopes Fernandes.

O dirigente Nacional da CTB e presidente do Sindicado dos Bancários da Bahia, Augusto Vasconcelos, também ressaltou a importância da manifestação. “Este ato tem uma importância muito grande porque o ataque não é contra uma instituição, apenas isso já seria muito, mas o ataque é contra a sociedade. Estamos vivendo um momento em que os trabalhadores estão com seus direitos colocados em cheque, com propostas de flexibilização dos direitos, da ampliação da terceirização, da prevalência do legislado sobre o negociado, da ampliação da jornada de trabalho e tantas outras propostas que detonam inclusive o modo de organização da sociedade. Temos que nos mobilizar contra isso e contra o enfraquecimento da Justiça do Trabalho, que é o último recurso do trabalhador para garantir os seus direitos”, reforça.

Durante o ato, a presidente Tribunal Regional do Trabalho da Bahia (TRT-BA), Maria Adna, afirmou ainda que a realocação de recursos autorizada pelo Tribunal de Contas da União (TCU) para a Justiça do Trabalho, na semana passada, é medida “paliativa”, garantindo que ainda briga pela recomposição do orçamento. “

Maria Adna também afirmou que equipes técnicas ainda avaliam por quanto tempo a Justiça do Trabalho pode funcionar considerando os cortes no orçamento. “A nação brasileira precisa disso. Esperamos que o Congresso Nacional e que o TCU, entendam isso e nos apoiem”, pediu.

A CTB Bahia participou do ato, representada por dirigentes e sindicatos de diversas categorias.

Fonte: CTB Bahia

Compartilhe:

Deixe seu recado