Bolsa Família aquece economia baiana com injeção de mais de R$ 2,1 bi em 2011

“Além de gerar um incremento na renda e melhorar a qualidade de vida da população assistida, proporciona ainda uma injeção de recursos em toda a economia baiana, incrementando o comércio da capital e interior do estado”, destacou o secretário de Desenvolvimento Social, Carlos Brasileiro.

O secretário enfatizou que o programa tem como objetivos combater a fome e promover a segurança alimentar e nutricional das famílias, além de criar possibilidades de emancipação sustentada dos grupos familiares e desenvolvimento das cidades, sobretudo as mais carentes.

Novas iniciativas

Em 2011, novas iniciativas foram incorporadas ao Bolsa Família. O limite dos benefícios variáveis aumentou de três para cinco filhos por família. As grávidas e nutrizes (até seis meses) começaram a receber benefício. Também o acompanhamento pré-natal nos postos de saúde foi incorporado como condicionante, a fim de garantir a saúde da mãe e do bebê.

Os valores dos benefícios hoje variam de R$ 32 a R$ 306, dependendo do perfil econômico e da quantidade de filhos de até 17 anos. Eles foram reajustados em até 45% no ano passado.

“Com o incremento do programa, tanto no aumento do valor dos benefícios pagos, quanto na ampliação das modalidades (gestantes e nutrizes), a Bahia obteve uma melhora na qualidade de vida das famílias em situação de pobreza e extrema pobreza, visto que prevê não só a transferência de renda, mas também o acompanhamento da educação e da saúde”, destacou a coordenadora estadual do Bolsa Família, Luciana Santos.

Para reforçar a procura pela população extremamente pobre, o programa adotou, em parceria com os municípios, a ação estratégica de Busca Ativa, a fim de localizar e identificar a população que permanece fora dos programas sociais.

Compartilhe:

Deixe seu recado