Caso Paupério: Você não vê na TV Bahia

A promotoria diz que o contrato entre ambas as partes durou de 2009 a 2012 e previa a aquisição de matérias sem licitação e terceirização de mão de obra da rede municipal de ensino em detrimento da realização de concurso público. Segundo os promotores de Justiça, no período em que vigorou o convênio, foram repassados R$ 123,7 milhões à fundação, dos quais R$ 39,4 milhões referentes a contratos de consultorias teriam sido desviados.

Segundo a promotora Rita Tourinho, integrante do Grupo Especial de Defesa do Patrimônio Público (Gepam), o pai de Pauperio (Antonio Carlos Pauperio) e sua esposa (Rosineide Socorro Agatão Pauperio) foram beneficiados com contratos irregulares no valor de R$ 2.271,719,88. “Ele (Alexandre) atuou nesta parte como principal articulador do convênio firmado entre a empresa Pauperio Consultoria de Otimização e Resultados e Redução de Perdas Ltda e a Secult”, diz representação no Ministério Público.

Você já se perguntou porque esse caso de corrupção não aparece na TV Bahia, de propriedade da família do prefeito ACM Neto?

Com informações da Folha da Capital

Compartilhe:

Deixe seu recado