Começa julgamento do impeachment; ‘eu irei ao Senado me defender’, afirma Dilma

“Eu irei ao Senado me defender, defender os interesses do povo brasileiro e, principalmente, defender a criação de instrumentos para que isto nunca mais se repita no Brasil. Nós respeitamos as instituições, mas não respeitamos golpistas. Somente uma nova eleição para desfazer os retrocessos. Querem fazer uma eleição indireta com 81 senadores sem levar em conta o desejo de milhões de eleitoras e eleitores brasileiros”, declarou Dilma ontem (24) num ato promovido pela Frente Brasil Popular, em defesa da presidenta. O evento ocorreu no Teatro dos Bancários, com a presença de lideranças políticas, movimentos sociais e entidades sindicais, como a Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB).

A sessão se dividirá em diferentes fases. Haverá pausas de 13h às 14h e de 18h às 19h. A partir daí, a cada 4 horas, os trabalhos poderão ser interrompidos por 30 minutos, de acordo com decisão do presidente do STF, que também pode determinar a suspensão e retomada dos trabalhos às 9h do dia seguinte.

Questões de ordem ou manifestações pela ordem podem ser feitas a qualquer momento, por até 5 minutos. O mesmo tempo será concedido para argumentação contrária. O presidente da sessão decide sobre as questões de ordem, não cabendo recurso ao Plenário.

Seguindo a sistemática adotada na sessão realizada em 9 de agosto, as questões de ordem devem ser apresentadas no início da sessão, no dia 25 de agosto, e, em seguida, o presidente do STF deve decidir acerca de cada uma delas.

Fonte: CTB Bahia

Compartilhe:

Deixe seu recado