Comerciários de Santo Antonio de Jesus ameaçam parar atividades

A mobilização é por conta de um decreto municipal que autoriza o funcionamento das lojas das 8 às 16 horas no próximo dia 23, feriado de Corpus Christi. O Sindicato do Comércio Varejista de Santo Antônio de Jesus (Sincomsaj) defende o funcionamento. “Não podemos deixar de abrir as lojas nesse dia, quando a cidade recebe milhares de pessoas de fora. A posição do sindicato patronal é a de que o comércio vai abrir dia 23 e o comerciário será recompensado com duas folgas ou com o pagamento de 100% de hora extra”, diz Vicente Neiva, presidente do Sincomaj.

Mobilização

Os comerciários não aceitam a decisão. Como dificilmente conseguirão derrubar o decreto municipal, a categoria promete continuar mobilizada e paralisar as atividades no dia 23.

Segundo a presidente do sindicato dos Comerciários, Anatália Mercês,l o decreto municipal está privilegiando poucos comerciantes em detrimento ao direito de seis mil trabalhadores.

“É uma indignação geral. Uma exploração dos comerciários. Além disso, nem todos os patrões cumprem o que fica acordado, como dar folga e pagar hora extra trabalhada. Já colocamos fiscais nas lojas em outras ocasiões e flagramos funcionários, que deveriam estar folgando, trabalhando”, relatou.

De acordo com Anatália Mercês, os seis mil comerciários não tiveram as reivindicações levadas em consideração pelos patrões. “Querem que o funcionário trabalhe a semana toda, ainda o sábado, o domingo e os feriados, sempre até tarde da noite. O único dia que os comerciários teriam para descansar vão ter que continuar trabalhando”, acrescentou a sindicalista.

Protesto

A presidente afirma que a paralisação do comércio durante o momento de pico de vendas no período junino será inevitável. Ela afirma que não houve um empenho dos patrões para um acordo. “Eles terão que rever a posição deles. Não querem aceitar nem nossa proposta de trabalhar até o meio dia. Eles querem que a gente vá até tarde da noite, sem garantia de compensação”, completou.

Anatália Mercês destacou ainda que os comerciários que trabalham em supermercados são os maiores prejudicados com a decisão de suspensão do feriado. “Eles não terão folgas. Vão trabalhar todos os feriados, mesmo que em alguns dias com carga horária até as 14h, como acontece aos domingos”, concluiu.

Compartilhe:

Deixe seu recado