Comerciários debatem saúde e perigos da reforma da Previdência

Coordenado pelos secretários de Saúde, Hilmar Meneses e Carine Dias, o encontro teve como objetivo discutir a importância do cipista no local de trabalho, os cuidados com a saúde e os perigos da reforma na vida do trabalhador. Participaram do evento a Fec Bahia, CTB e representantes da Associação Baiana das Pessoas com Doenças Falciformes (ABADFAL), e da Secretaria do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte do Estado (Setre).

O presidente do Sindicato dos Comerciários, Jaelson Dourado, abriu o evento falando do perigo que a PEC 241, a proposta de emenda à Constituição que congela por 20 anos os gastos públicos, traz prejuízos para os trabalhadores, impactando na valorização do salário mínimo e nos investimentos para o desenvolvimento econômico. “As reformas que tem que acontecer é para melhorar a vida do nosso povo, e não piorar. Essa PEC vem exatamente prejudicar o desenvolvimento do nosso País”, sintetizou.

Para Adilson Alves, presidente do Sintrasuper, é importante reunir os trabalhadores em torno de um debate extremamente necessário. “Estamos vivendo ainda um processo de mudanças e transformações em nosso País. Esse tema é de suma importância, pois mexe diretamente com os direitos dos trabalhadores. É essencial também os trabalhadores estarem atentos à questão da segurança no local de trabalho”, disse.

REFORMA
É preciso que os comerciários fiquem atentos à reforma da Previdência Social, que tem como principal alvo os trabalhadores, mexendo com seus direitos e conquistas ao longo dos anos. É um retrocesso que busca privar o trabalhador de suas garantias. Para o contador Joseney Oliveira,“essa proposta do governo atual é exclusiva para aumentar o tempo do trabalhador se aposentar, que trabalhará mais para receber seus direitos”.
A regra atual, é uma regra de pontuação 85\95 progressiva.

veja como fica: Tabela com mudança

Na regra de transição o governo indica que a idade mínima valerá para quem tiver até 50 anos quando a reforma entrar em vigor. Quem tiver 51 anos ou mais terá um acréscimo ou pedágio de 40% ou 50%,no tempo de contribuição que faltava para o trabalhador se aposentar pela regra atual. Assim, se faltavam 4 anos para aposentadoria, esse prazo sobe para até seis anos.

PRIORIDADE
“A saúde do trabalhador deve ser vista como prioridade, e colocar em pauta essa questão é sempre importante. Temos necessidade em reunir os comerciários e tratar desse tema. Nós entendemos que devemos alertar os trabalhadores desses perigos”, disse Hilmar Meneses.

Adquirir conhecimento e ter informação, é o primeiro passo para que o trabalhador possa está sabendo em que momento deve buscar seus direitos. Foi o alerta da representante da Setre, Ângela Mascarenhas. Ela concluiu dizendo que o sindicato é o principal aliado na luta em defesa dos direitos do trabalhador e não dá para enfrentar esse momento distante do sindicato e distante da luta.

Na parte que tratou da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes(CIPA), os participantes reforçaram que o seu objetivo é a fiscalização e o alerta das condições de risco nos ambientes de trabalho, além de solicitar medidas para que os riscos existentes sejam eliminados ou neutralizados.

Todos enfatizaram seu papel mais importante: estabelecer uma relação de diálogo e conscientização, de forma criativa e participativa, entre gerentes e empregados, em relação à forma como os trabalhos são realizados, objetivando sempre melhorar e humanizar as condições de trabalho.

Por: Daniel Santos – Estagiário

 

Compartilhe:

Deixe seu recado