Atenção para os pagamentos de dezembro!

Os shoppings representam 20% do varejo total da Região Metropolitana e em todo o comércio da capital a expansão ficará em torno de 5%, mesma projeção para todo o ano. No movimento de consumidores as expectativas também são positivas, são esperados 8% a mais que o mesmo período do ano passado. Os itens de maior procura são: roupas, calçados, equipamentos eletrônicos e artigos de telecomunicação. Para dar conta da demanda, segundo o Sindilojas, 20mil vagas de trabalho temporário serão abertas, com contratações a partir de novembro.

Segurança dos trabalhadores

O trabalhador comerciário, maior responsável pelo crescimento do setor, deve ficar atento aos seus direitos e aos abusos e excessos praticados por muitas empresas neste período. É bom lembrar que devido ao crescimento nas vendas são ampliados os horários de funcionamento das lojas, e nem sempre questões como saúde e segurança dos trabalhadores são levados em conta pelos patrões. Ao saírem do trabalho mais tarde, os comerciários ficam expostos em pontos de ônibus e ruas muitas vezes escuros e sem segurança. Nestes casos, deve haver bom senso por parte das empresas em disponibilizar conduções particulares, para que os trabalhadores possam retornar com segurança aos seus lares.

Pagamentos de dezembro

Entre as várias queixas recebidas pelo Sindicato no período estão horas extras. Assim como em todo o ano, quem ultrapassar 8hs diárias de serviço tem direito ao fornecimento do lanche no mesmo dia e recebimento das horas extras. O comerciário não poderá laborar 2 domingos seguidos, e para cada domingo trabalhado em dezembro está garantido o direito a folga, transporte e o valor de R$ 20, a título de alimentação para quem trabalhar mais de 6hs no dia. Para os comissionados, que tem pagamento diferenciado do 13o. e férias, são somados os valores recebidos e divididos pelos número de meses trabalhados. Para eles, há uma diferença a ser paga no mês de janeiro, quando entra na conta o mês de dezembro.

Fique de olho! Caso os patrões se recusem a pagar ou retirem diretos garantidos por Lei, nosso setor jurídico estará disponível para recorrer à Justiça do Trabalho em benefício dos comerciários.

Compartilhe:

Deixe seu recado