Comerciários do Bela Vista pedem socorro

O shopping acusa a Prefeitura de não criar novas linhas e de não permitir que os ônibus parem na região, já a Prefeitura diz não haver edital para abertura de novas linhas. No jogo de empurra quem sai prejudicado é o trabalhador. “Temos que nos deslocar até a rodoviária para pegar o ônibus disponibilizado pelo shopping e chegar no trabalho. Tem gente que mora próximo mas ainda assim evita percorrer este caminho e vai para a rodoviária por medo”, disse *Jorge Cunha. Segundo denúncias, algumas trabalhadoras foram vítimas de marginais. “Acho um absurdo. Toda noite passo aqui correndo risco de vida, de ser assaltada e de estupro também. A gente fala com a administração mas ninguém faz nada. Uma amiga minha e algumas colegas já foram assaltadas aqui porque não há seguranças”, destacou *Fabiana Oliveira.

Em agosto de 2012 o Sindicato realizou manifestação no local para cobrar providências do shopping, que se comprometeu em alterar o itinerário e o número de ônibus mas até agora nada foi feito. “O Sindicato vai ingressar com ofícios nos órgãos como: CREA, Secretaria de Segurança Pública, Sucom e Transalvador para que apurem as denuncias, porque, além dos problemas de transporte e segurança externos, há também problemas estruturais, como rachaduras e goteiras no interior da lojas, que põem em risco a vida de trabalhadores e clientes .”, afirmou o diretor do Sindicato Alfredo Santiago.

Tempo de espera

De acordo com os trabalhadores, a situação piora à noite, quando o tempo de espera pelos ônibus chega a 30 minutos. “Para certos funcionários é um transtorno, assim como para mim. Se eu for pegar um carro deste para ir para a rodoviária vou chegar em casa meia noite, não vai adiantar nada. Prefiro subir a ladeira andando. É mais vantagem.”, falou *Paula Almeida.

Transtorno também para clientes

Os clientes também se queixam da situação. “Há muitos assaltos aqui à noite. Eu já vi uma situação perigosa. O marginal ia assaltar a mulher mas ela gritou e ele fugiu. Aqui deveria ter segurança e linhas de ônibus.”, afirmou o rodoviário Edmilson Santana. “É horrível ter que depender de carona ou pegar dois ônibus para chegar até aqui. À noite não tem como passar porque não tem iluminação pública. Este caminho poderia estar mais seguro, mas eles deixam como segundo plano e esquecem que as pessoas precisam passar por aqui.”, completou o designer Ricardo Oliveira.

* Os nomes dos comerciários foram alterados para impedir identificação e possíveis punições por parte das empresas.

Compartilhe:

Deixe seu recado