Comunicado

Na quinta-feira (02/02) foram vistos atos de vandalismo em toda a capital baiana e em algumas cidades do interior, acreditamos que isso não faça parte de uma organização que a população respeita e confia.

Com a paralisação da PM, o comércio de rua é a parte mais exposta a todo tipo de insegurança, porque está diretamente ligado a sociedade e devido a facilidade de acesso. E o maior prejudicado é o comerciário, que é colocado em situação de risco por estar a frente dos estabelecimentos. Em alguns locais policiais tentaram manter a segurança, mas a prioridade foi o patrimônio. Em pontos de ônibus e estações os trabalhadores ficaram vulneráveis a ações de marginais, que se aproveitaram da situação.

A Força de Segurança Nacional neste momento ameniza a situação mas não resolve o problema. É necessário que o governo encontre um ponto de equilíbrio para resolver a situação de forma que as reivindicações sejam atendidas e a cidade retome as suas atividades normais.

Neste momento delicado que vive nossa cidade, pedimos aos empresários do comércio bom senso no sentido de garantir o retorno dos trabalhadores com segurança para suas casas, antecipando o fechamento das lojas. Locais onde estão vulneráveis a todo tipo de ação, que podem ocorrer na forma física, psíquica e emocional. Desta forma evitaremos maiores prejuizos.

Compartilhe:

Deixe seu recado