Consciência e reflexão no Novembro Negro dos Comerciários

O evento aconteceu na Praça da Piedade e reuniu representantes da Facom/Ufba, Fec/Ba, CTB, Cipó – Comunicação Interativa, Unegro, OAB Bahia, Secretaria Municipal de Saúde, Secretaria de Promoção da Igualdade (Sepromi), Deam, Instituto Luiz Gama, Naspec, entre outros. Que discutiram temas como: o negro no mercado de trabalho; políticas afirmativas; cotas nas universidades; o negro na mídia e a doença falciforme, que é predominante no negro.

Na ocasião houve também apresentações culturais, capoeira e muita música, através do bloco afro Afoxé Oromim, de Sussuarana; grupos de capoeira ABC da Polêmica e Meninos da Bahia e o grupo Ceep – Canto Coral. “O Sindicato não pode deixar esta data passar em branco, principalmente neste local, que é um marco histórico. Onde aconteceu o primeiro movimento pela emancipação do negro, fim da escravidão e direito de igualdade. Em Salvador a maior parte da população é negra, assim como a maioria dos comerciários. Por isso estamos trazendo o debate para a praça, para o povo”, destacou Jaelson Dourado, Presidente do Sindicato.

Secretaria de Gênero em atividade

Além de promover o Novembro Negro dos Comerciários, a Secretaria de Gênero estará presente em atividades promovidas pela Unegro, que este ano vai homenagear Zumbi dos Palmares com um ato na Praça municipal, dia 20/11. “Mudar a realidade de discriminação também é nossa responsabilidade, por isso trazemos o debate para a praça com o objetivo de conscientizar a população negra para que ela possa buscar espaços de poder e de igualdade na sociedade”, pontou Cherry Almeida, Secretária de Gênero.

Unegro

Jerônimo Silva, da Unegro, parabenizou o Sindicato por desenvolver um trabalho de valorização do negro junto as classes patronais. “Não há avanço nas relações sociais enquanto houver racismo. O sindicato dos Comerciários, ao logo dos anos, vem reivindicando equidade e igualdade de oportunidades entre negros e brancos no mercado de trabalho, e isso é muito importante porque promove consciência em todos, negros e brancos”, completou.

FEC Bahia

O Presidente da FEC/Bahia, Reginaldo Oliveira, destacou a importância do negro para a sociedade e lembrou do período do tráfico de escravos e da exploração, o que representa uma dívida que merece atenção e reparação. “A luta de cerca de 200 anos atrás é continuada hoje, por igualdade entre brancos e negros no mercado de trabalho. Existe uma guerra que talvez não seja percebida por todos, mas que os trabalhadores negros em geral sentem na pele quando há um recorte em termos de ocupação de espaços de poder e salários”.

CTB

Rosa Souza, que é Secretária da Mulher da CTB e diretora do Sindicato dos Comerciários, esteve presente nas discussões. “Para a CTB é uma honra participar deste evento. Sempre estivemos presentes nas lutas do povo brasileiro, principalmente em Salvador, maior cidade negra da América Latina. A iniciativa do Sindicato é muito importante por se tratar de uma categoria que sofre grande discriminação. Trabalhadores que estão no fundo das lojas e dos supermercados. No comércio podemos contar nos dedos os negros que ocupam cargos de chefia, uma realidade que só com conscientização de direitos poderá ser modificada”, concluiu Rosa.

Compartilhe:

Deixe seu recado