Desemprego feminino na Região Metropolitana de Salvador diminuiu em 2011

Neste mesmo período, entre os homens, houve queda no índice desemprego de somente 0,7%, descendo de 12,9% para 12,2%. Apesar disso, as mulheres continuaram sendo minoria entre os ocupados (46,0%) e maioria absoluta entre os que estão fora do mercado de trabalho (58,4%). Além disso, a participação delas permaneceu abaixo da masculina, 49,3% e 64,9% respectivamente.

“Os dados nos ajudam a comprovar a desigualdade e apontar para a necessidade de ações que promovam a ascensão da mulher no mercado de trabalho”, avaliou a Secretária de Política para as Mulheres (SPM), Vera Lúcia Barbosa. Para o economista da Pesquisa, Luiz Chateaubriand, as diferenças foram atenuadas, mas ainda é preciso avançar. “O quadro de inferioridade das mulheres persiste nas condições de trabalho, independente do nível de instrução ou condição hierárquica. O número de mulheres desempregadas diminuiu mais que o dos homens, atenuando, mas não aniquilando a desigualdade”, disse.

Na visão mais crítica da pesquisadora do Dieese, Ana Margaret, a diminuição da taxa de desemprego feminina se principalmente ao fato de que essa mulheres saíram da faixa da População Economicamente Ativa (PEA). “ [A queda] Não está relacionado à geração de empregos, que cresceu, principalmente em serviços domésticos, onde ganham menos que os homens”. A economista do Dieese lembra que as mulheres perderam mais espaço nos setores mais estruturados, como serviços, em especial no público onde os salários são maiores.

Quando o quesito analisado é o salário, houve uma retração de 7,5% na renda média real do trabalhador. Nesse ponto, inclusive, o salário médio feminino em 2011 foi de R$ 886,00 enquanto que o masculino foi de R$ 1.191,0. Isso significou que o rendimento médio por hora auferido pelas mulheres correspondeu a 83,4% do masculino, tendo na indústria a maior diferença (67,6%) e serviços a menor (82,8%). O rendimento médio das mulheres assalariadas correspondeu a 88,4% do rendimento dos homens; entre autônomos, a 61,0%; e entre os empregadores, a 78,9%.

Desde 1996, quando a pesquisa foi iniciada, o número de desempregados caiu para 26 mil pessoas (15,3% da PEA). Houve crescimento ocupacional feminino em quase todos os setores econômicos, especialmente na indústria com aumento de quase 17%. Nos serviços domésticos, ocorreu aumento de 15,7% da presença feminina. O principal avanço feminino foi no setor privado com carteira assinada, com destaque para o trabalho autônomo.

Compartilhe:

Deixe seu recado