Desoneração de impostos federais não tem efeito em Salvador, onde a cesta básica é a terceira mais cara do país

Em Salvador (4.08%), a cesta básica ficou entre as que registraram maior alta de preços no período, ficando atrás apenas de Vitória (6,01%), Manaus (4,55%), passando de R$ 270,04 registrados em fevereiro, para R$ 281,05.

No acumulado do primeiro trimestre deste ano, todas as 18 capitais pesquisadas registraram expansão nos preços da cesta básica. As maiores elevações acumuladas no ano foram em Salvador (23,75%), Aracaju (20,52%) e Natal (16,52%). Já Florianópolis (5,97%), Belém (7,47%) e Curitiba (8,65%) tiveram as menores altas.

Em Salvador, a banana, a farinha de mandioca e o feijão registraram altas superiores a 10% no mês: 20,57%, 12,34% e 12,08%, respectivamente. Os três produtos que registraram redução no preço médio foram a carne, o açúcar e o óleo de soja: -2,23%, -2,88% e -5,66%, respectivamente. O leite manteve o preço médio estabilizado em março. A carne bovina foi um dos cinco itens beneficiados pela medida de redução de imposto do governo federal e ficou mais barata em março em 15 das 18 capitais.

Em 12 meses, na comparação com março do ano passado (quando o Dieese divulgava a estimativa de preços da cesta básica em 17 capitais, sem os dados de Campo Grande), houve aumento acima de 10% em todas as regiões, com as maiores variações em Fortaleza (32,78%), Salvador (32,63%) e João Pessoa (28,01%). As menores variações foram verificadas em Belém (19,09%), Curitiba (19,78%) e Florianópolis (20,29%).

Compartilhe:

Deixe seu recado

Deixe seu recado