Economia brasileira cresce 2,7% em 2011, mostra IBGE

Por setores, a agropecuária liderou o crescimento no ano, com alta de 3,9%, seguida por serviços (2,7%) e indústria (1,6%). Veja como tem sido o desempenho dos diferentes setores da economia brasileira desde 1996.

O IBGE atribui o crescimento da agropecuária ao aumento da produção de diferentes culturas e aos ganhos de produtividade. “Na agricultura, quando você vê um aumento da produção, com uma diminuição da área plantada, existe um aumento da produtividade”, ressaltou Roberto Luís Olinto Ramos, coordenador de Contas Nacionais do IBGE.

No mesmo período, na análise da demanda, a despesa de consumo das famílias cresceu 4,1% – oitavo ano seguido de alta. A despesa de consumo da administração pública subiu1,9% e a formação bruta de capital fixo teve expansão de 4,7%.

“O consumo das famílias deu uma desacelerada, mas a taxa se manteve em alta. A taxa de juros é uma das coisas que explicam a redução. A inflação mais alta e a crise mundial também são fatores que influenciam”, disse o coordenador.

A previsão do mercado financeiro, apresentada na véspera, por meio do boletim Focus, do Banco Central, era de que o PIB teria uma expansão de 2,82%. A expectativa do Banco Central, que divulga a “prévia do PIB”, apontava para uma expansão de 2,79%. A estimativa oficial da instituição para o crescimento da economia do ano passado, porém, estava em 3%.

Para Guido Mantega, ministro da Fazenda, a estimativa era próxima deste valor. Em fevereiro, o ministro apontou que esperava uma expansão “em torno de 3%” para o PIB de 2011, com uma aceleração do crescimento no quarto trimestre do ano. Isso porque, de acordo com os dados do IBGE, a economia ficou estagnada de julho a setembro, com crescimento zero.

Detalhes do PIB de 2011

Entre os setores pesquisados pelo IBGE, o de serviços, que mostrou alta de 2,7%, teve as maiores influências partindo de serviços de informação, com alta de 4,9%, e intermediação financeira e seguros, com crescimento de 3,9%.

Dentro desse setor, o comércio avançou 3,4%, seguido de transporte, armazenagem e correio (2,8%).

“Ao longo de todo o ano de 2011, o crescimento da população empregada e da massa real de salários, ao lado da expansão do crédito ao consumo, sustentaram o crescimento das vendas no comércio”, disse o IBGE, por meio de nota. Outros serviços e administração, saúde e educação pública cresceram, ambas, 2,3%. Na sequência, aparecem serviços imobiliários e aluguel (1,4%).

Na indústria, terceiro setor pesquisado pelo IBGE, o destaque ficou com eletricidade e gás, água, esgoto e limpeza urbana (3,8%) e construção civil (3,6%). “O desempenho da construção civil em 2011 é confirmado pelo aumento da população ocupada no setor, que acumulou crescimento de 3,9%”, afirmou o IBGE.

Dentro da indústria, o subsetor de extração mineral teve alta de 3,2%, com destaque para a extração de minério de ferro. Já a indústria de transformação ficou praticamente estável sobre 2010, com leve avanço de 0,1%.

“A indústria de transformação é o núcleo central de uma economia. Com essa turbulência no mercado externo, importações, decisões sobre consumo. Atividades que têm mais a ver com o resto do mundo tiveram mais impacto. Algumas atividades relacionadas ao mercado interno tiveram menos impacto. De forma uniforme, toda a indústria de transformação caiu”, disse Ramos.

Também foram anunciados os números do desempenho do setor externo. Em 2011, as exportações cresceram 4,5%, e as importações, 9,7% – devido, principalmente, segundo o IBGE, ao “quadro de valorização do real verificado entre 2010 e 2011”.

Investimentos e poupança

Na mesma divulgação, o IBGE anunciou que a taxa de investimento no ano de 2011 foi de 19,3% do PIB, resultado inferior ao registrado no ano anterior, quando alcançara 19,5%.

Comparações trimestrais

Na comparação com o terceiro trimestre do ano passado, com ajuste sazonzal, o PIB mostrou avanço de 0,3%. Por setores, registraram aumento a agropecuária (0,9%) e os serviços (0,6%). Já a indústria apresentou queda, de 0,5%. Nesta terça-feira, o IBGE revisou o PIB do terceiro trimestre de 2011, de 0% para -0,1%.

De acordo com o IBGE, no quarto trimestre de 2011, em relação ao terceiro, todos os componentes da demanda interna mostraram aumento: despesa de consumo das famílias cresceu 1,1%, e da administração pública aumentou 0,4%. A formação bruta de capital fixo teve alta menor, de 0,2%. Pelo lado do setor externo, as importações cresceram 2,6% e as exportações, 1,9%.

No entanto, quando comparado ao mesmo período de 2010, o quarto trimestre de 2011 mostrou crescimento maior, de 1,4%. Dentre as atividades econômicas, a agropecuária avançou 8,4% e os serviços, 1,4%. Por outro lado, a indústria teve queda de 0,4%. Esse recuo, segundo pontuou o IBGE, foi puxado pela contração de 3,1% na indústria de transformação.

Compartilhe:

Deixe seu recado