Enem: lutar contra a violência de gênero é questão social

A questão apresentada no Enen, no entanto, nada mais é do que a citação da filósofa e escritora francesa, Simone de Beauvoir, “Ninguém nasce mulher: torna-se mulher. Nenhum destino biológico, psíquico, econômico define a forma que a fêmea humana assume no seio da sociedade; é o conjunto da civilização que elabora esse produto intermediário entre o macho e o castrado que qualificam de feminino”. A pergunta pedia para o candidato caracterizar para qual movimento social da década de 1960 o pensamento de Beauvoir contribuiu.

A jornalista da “Carta Capital” e blogueira Cynara Menezes, afirma em uma rede social que “quando um tema como “violência contra a mulher” na redação do ENEM vira “tema de esquerda” já não restam mais dúvidas sobre o tipo de direita que existe no Brasil”, numa clara alusão do equivoco e má intensão dos deputados, ao atacarem a prova e o MEC.

Aliás, o deputado Bolsonaro foi recentemente condenado por incitar o estupro, ao afirmar que “não estupraria a deputada Maria do Rosário porque ‘ela não merecia'”, como se alguma mulher merecesse ser estuprada.

Se a luta pela igualdade de gênero e o combate à violência contra a mulher é “doutrinação de esquerda”, homens e mulheres de direita defendem o contrário?

Por Sônia Corrêa – Ascom Sindicom

Compartilhe:

Deixe seu recado

Deixe seu recado