França confirma queda de voo com 66 a bordo e não descarta ataque terrorista

O presidente da França, François Hollande, informou na manhã desta quinta (19) que a aeronave caiu, e que nenhuma hipótese está sendo descartada na investigação do acidente, incluindo a possibilidade de um atentado terrorista. Foi a primeira vez que se falou oficialmente em acidente aéreo desde que a aeronave desapareceu.

“Neste momento, precisamos dar prioridade à solidariedade às famílias” das vítimas, disse Hollande, no palácio Eliseu, em Paris.

A procuradoria da França informou que abriu uma investigação sobre o caso.

Segundo o site FlightRadar24, a aeronave, que fazia o voo MS804, parou de enviar sinais ao radar quando estava a 37 mil pés (11.277 metros), por volta das 2h45 locais (21h45 de quarta em Brasília).

O ministro de Aviação do egito tratou o avião como desaparecido, e informou que pode ter havido um problema técnico ou um atentado terrorista.

Segundo o ministro da Defesa da Grécia, o avião fez “guinadas repentinas” e mergulhou no ar antes de desaparecer dos radares sobre o sul do Mediterrâneo.

“Às 3h39 da manhã o curso da aeronave era sul e sudeste de Kassos e Karpathos (ilhas)… imediatamente depois entrou no espaço aéreo do Cairo e fez guinadas e desceu como descrevo: 90 graus para a esquerda e 360 graus para a direita”, disse o ministro Panos Kammenos em entrevista coletiva.

A Grécia montou uma operação de busca na área ao sul da ilha de Karpathos, mas ainda não obteve resultados, segundo o ministro.

SEM CHAMADO DE EMERGÊNCIA

Em entrevista à rede de televisão CNN, o porta-voz da empresa, Ahmed Abdel, disse que os pilotos não fizeram um chamado de emergência e que a aeronave não registrou problemas no trajeto anterior, entre Cairo e Paris.

Ele identificou as 66 pessoas a bordo como 56 passageiros –incluindo uma criança e dois bebês–, três agentes de segurança, cinco comissários de bordo e os dois pilotos. Inicialmente, a companhia havia informado que a aeronave levava 69 pessoas a bordo.

De acordo com a companhia aérea, no aparelho viajavam 30 passageiros egípcios, 15 franceses, dois iraquianos, um britânico, um canadense, um belga, um português, um argelino, um sudanês, um chadiano, um saudita e um kuwaitiano.

Segundo Abdel, o capitão da aeronave, que não foi identificado, tem mais de 6.000 horas de voo, incluindo 2.000 em Aribus A320. O avião, afirma ele, não levava oficialmente cargas perigosas em seu bagageiro.

O ministério da Aviação Civil egípcio confirmou que equipes de buscas foram enviadas à região onde houve o último contato com a aeronave. O governo da Grécia enviou uma fragata da Marinha, um avião C-130 e um avião militar EMB-145 para auxiliar nas buscas

Fonte: FEC Bahia

Compartilhe:

Deixe seu recado