Inflação para baixa renda fica em 5,98% em 2011, diz FGV

O índice da baixa renda em dezembro ficou abaixo da variação média de preços entre famílias com renda mais elevada, de até 33 salários mínimos mensais, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor – Brasil (IPC-BR) e que subiu 0,79% no mesmo mês. O IPC-C1 também foi menor do que as taxas acumuladas do IPC-BR em 2011, 6,36%. No ano de 2011, a maior variação de preços foi verificada no grupo de gastos com vestuário. A alta foi de 8,14%.

Em dezembro, das sete classes de despesa que integram o cálculo do indicador, tiveram aceleração do aumento de preços: alimentação (de 0,63% para 1,74%), vestuário (de 1,27% para 1,51%), saúde e cuidados pessoais (de 0,49% para 0,79%) e educação, leitura e recreação (de 0,28% para 0,77%). Os destaques, nesses grupos, partiram de arroz e feijão (de -1,00% para 3,59%), roupas (de 1,34% para 1,53%), artigos de higiene e cuidado pessoal (de 0,76% para 1,29%) e material escolar e livros em geral (de -0,15% para 0,58%).

Na contramão, tiveram desaceleração da alta de preços, de novembro para dezembro, os grupos: habitação (de 0,43% para 0,42%) e despesas diversas (de 0,37% para 0,21%). As principais influências partiram de tarifa de eletricidade residencial (de 1,25% para 0,56%) e alimento para animais domésticos (de 0,86% para -1,28%).

Compartilhe:

Deixe seu recado