Montadores em estado de mobilização

O montador de móveis representa uma marca ou empresa que fazem inúmeras exigências, como boa aparência, comportamento, bons antecedentes, entre outras exigências. Entretanto, a valorização financeira, a dignidade e o respeito aos direitos básicos dos trabalhadores, não caminham na mesma proporção das exigências.

Trata-se de uma função que requer muita habilidade, exige leitura de plantas e layouts, montagem de móveis convencionais (também conhecidos por seriados), montagem de móveis corporativos, montagem de móveis planejados (que exigem o domínio de diversas técnicas como recortes, reduções, fechamentos, tamponamentos).

Esses profissionais, no entanto, estão expostos à condições de trabalho que não condizem com as tarefas desempenhadas.

Os fardamentos, quando fornecidos, muitas vezes são inadequados para o trabalho. Por exemplo, uma vez que passam parte considerável do tempo ajoelhados, enquanto preparam a sequência de montagem das peças, a calça deveria prever a proteção de enchimento na altura do joelho. Da mesma forma, a camisa poderia ser de tecido com proteção UV. As empresas também não fornecem botas, nem óculos de proteção contra detritos ou poeira, inevitáveis quando há perfuração de paredes, por exemplo.

Trata-se de uma gama de profissionais com alta predominância masculina (cerca de 98%), dada necessidade de movimentação de peças pesadas e exposição ao risco de visitar e desenvolver atividades em locais desconhecidos. Relatos dão conta que há casos de ameaças em locais com alto índice de insegurança e criminalidade.

Outra questão levantada pelos profissionais, durante a Assembleia, foi o da utilização de ferramentas pessoais para trabalharem. Quando os instrumentos sofrem avarias ou defeitos, os trabalhadores acabam arcando com os custos do conserto ou reposição.

As queixas são inúmeras desde a falta de segurança, falta dos equipamentos de proteção individual e das ferramentas de trabalho, fardamento, seguro de vida, reajuste das tabelas e dos perceptuais de comissão e telefones corporativos.

Compartilhe:

Deixe seu recado