Patrões usam dados irreais de desemprego para pressionar trabalhadores

Logo, para que esta informação seja verdadeira, os empresários estariam homologando de forma ilegal, ou um número absurdamente exagerado de trabalhadores não permanecem um ano no setor.

O setor de homologações do Sindicato dos Comerciários tem o registro de 19.784 demissões nos últimos 15 meses, e não de 50 mil como afirma o Sindilojas (sindicato patronal).

Dados oficiais revelam crescimento e não fechamento de lojas

Além disso, os empresários afirmam que 21 mil estabelecimentos comerciais teriam fechado as portas. O Sindilojas (sindicato patronal) esquece, ou prefere omitir, é que, segundo divulgado pela rádio CBN, nove novos shoppings centers seriam abertos na Bahia até 2016, sendo 8 no interior e um na capital, cujos empreendimentos gerariam 9 mil postos de trabalho. Destes o shopping de Cajazeiras, em Salvador, foi inaugurado em dezembro com mais de 70 lojas funcionando.

Os números divulgados pela Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce), no final de janeiro deste ano, mostram que as vendas do setor de shopping centers atingiram R$ 151,5 bilhões em 2015, um crescimento de 6,5% em relação a 2014.

Lojas se deslocam e novas redes se instalam em Salvador

Outro “esquecimento” do Sindilojas (sindicato patronal), foi informar sobre um fenômeno que ocorre em todas as grandes cidades: o deslocamento de lojas para os pequenos centros comerciais de bairros e regiões. É notável a olhos nus, o crescimento do comércio de Pau da Lima/São Marcos e Suburbana, por exemplo. Acresce-se a isso as novas redes de móveis e eletrodomésticos que se instalam na Bahia, como Beto e Baiano.

Sindicato patronal tenta espalhar o terror

As informações fornecidas para a imprensa, pelo Sindilojas (sindicato patronal), não aparentam possuir nenhuma cientificidade. Ao contrário, demonstram uma aflição em impôr aos comerciários o medo da ameaça de desemprego.

Trata-se de uma atitude irresponsável daqueles que obtiveram lucros excessivos nos últimos 10 anos e que, agora, não querem devolver aos trabalhadores o percentual dos seus salários, corroído pela inflação, que eles, os empresários já repassaram aos preços de suas mercadorias.

Só queremos o que é nosso

Os trabalhadores não estão pedindo favor, nem esmola. Os lojistas devem aos trabalhadores a reposição de 11,08%, a partir do mês de março. Somente essa retroatividade soma, em média, uma dívida de R$ 650, por comerciário.

Irresponsabilidade patronal prejudica toda a economia de Salvador

A irresponsabilidade patronal é tão grande que, por esse cálculo, significa dizer que o não fechamento da Convenção Coletiva de Trabalho dos comerciários implica na retirada de circulação de R$ 135 milhões do comércio local, pois o salário do trabalhador no comércio volta para aquecer o próprio comércio. Ou seja, a atitude do Sindilojas (sindicato patronal), acaba prejudicando os próprios empresários do comércio de Salvador.

Não aceitamos terrorismo com a vida e a consciência dos trabalhadores. Não aceitamos esmolas. Exigimos dignidade sobre nossos salários.
Compartilhe:

Deixe seu recado