Secretaria de saúde realizou VI Encontro de Cipistas

Pela manhã as atividades aconteceram na Procuradoria Regional do Trabalho, à tarde, o Espaço Cultural dos Comerciários foi palco de atividades e apresentações teatrais. O evento contou também com um tradutor de libras para transmitir informações aos cipistas portadores de necessidades especiais. “O Sindicato, através da Secretaria de Saúde, tem promovido diversos encontros que tratam de assuntos que informam os cipistas sobre seu papel no local de trabalho”, destacou Monica Soares, secretária de saúde. “Os cipistas que vieram ao VI Encontro tem um papel de multiplicador. Ele deve chegar na empresa e repassar os conhecimentos adquiridos de forma a promoverem um ambiente de trabalho saudável”, completou Anderley Costa, secretário de saúde.

O papel do cipistas

No comércio de Salvador ainda é comum o descum¬primento pelas empresas de vários dispositivos da Norma re¬gulamentadora nº5, que, dentre outros, prevê, desde 1978, a criação da Comissão Interna de Pre¬venção de Acidentes (CIPA) em organi¬zações com mais de 50 empregados. “O papel do cipista é importante em uma empresa porque um dos objetivos da CIPA, entre tantos outros, é fazer o reconhecimento dos eventuais perigos que colocam a vida dos trabalhadores em condição de risco. Conhecendo estes riscos, o cipista leva as informações para a empresa e propõe alternativas. Com isso, são reduzidos os números de acidentes de trabalho e possíveis doenças ocupacionais”, afirmou Flávio Nunes, auditor fiscal do trabalho (SRTE)

A constituição da CIPA foi determinada pela ocorrência significativa e crescente de acidentes e doenças típicas do trabalho. “Este evento traz informações fundamentais para o desenvolvimento do nosso trabalho e esclarece sobre diversas situações, de forma que possamos levar informações seguras para as empresas”, disse a cipista Nádia Souza. Mas algumas empresas insistem em descumprir normas e regras e acabam perseguindo e atrapalhando o trabalho dos cipistas, como é o caso de Jackson Sena, do Atacadão. “Estou sendo perseguido pela empresa e já levei várias suspensões e advertências por atuar como cipista representando os trabalhadores. Chegam a dizer que faço motim, mas o que faço é apontar as coisas erradas e cobrar soluções”, completou Jackson.

Irresponsabilidade das empresas

A falta de responsabilidade por parte das empresas com a saúde, segurança e bem estar dos trabalhadores foi destaque pelo presidente em exercício do Sindicato Ailton Plínio. “Este VI Encontro acontece em um momento propício, o comércio está crescendo mas o ambiente de trabalho ainda é nocivo ao trabalhador. Um exemplo de desrespeito está no Shopping Bela Vista, que inaugurou suas instalações recentemente sem ponto de ônibus e refeitórios para os comerciários. Já marcamos uma reunião com a administração do Shoping para discutir estes e outros problemas”, concluiu Plínio.

Compartilhe:

Deixe seu recado