Sem plano inclinado, comércio sofre

“Quem trabalha no Pelourinho, antes, vinha aqui em horário de almoço, frequentava os restaurantes e também as lojas, mas, com o fechamento do plano inclinado ninguém mais vem aqui”, conta Rosane Salomão, proprietária de uma loja na Rua Álvares Cabral.

De acordo com um dos conselheiros da Associação dos Empresários do Comércio (AECOM), Carlos Moraes, 58 anos, o chefe da Casa Civil da prefeitura de Salvador, João Leão teria se reunido com membros da associação, no dia 08 de outubro e se comprometido a colocar para funcionar os dois planos inclinados (Gonçalves e Pilar) e mais o Elevador Lacerda que atualmente está com apenas duas das quatro cabines funcionando, até o dia 15 de novembro, porém, quase duas semanas depois, nada mudou, o plano continua fechado e os comerciantes amargando prejuízos.

“A época de receber turistas já está chegando e nada foi feito para melhorar o acesso ao Comércio isso é uma vergonha, não sabemos mais a quem recorrer cada um diz uma coisa e ninguém faz nada”, reclama Manuel Cardoso, 73 anos, que para abrir sua loja na Rua Francisco Gonçalves, precisa pegar dois ônibus, todos os dias.

“Pego um ônibus em Nazaré para o Campo Grande e lá pego outro para a Avenida Contorno no Comércio. Eu faço este trajeto porque preciso, mas, quem não precisa acaba indo para o shopping”, lamenta. Há quase um ano com as vendas em baixa, Cardoso está atolado de dívidas

“Já peguei empréstimo com o banco e não estou tendo dinheiro para pagar, estou com vários impostos atrasados, não sei mais o que fazer para manter a loja e quatro funcionários”, conta ele que recentemente demitiu duas pessoas em razão da crise.

Dono de um restaurante na Rua José Pires de Albuquerque, Jean Pierre resolveu abandonar o barco. “Não acredito mais em promessas, por isso, decidi vender o restaurante”, resume ele, inconsolável. “Comprei este restaurante, há um ano, acreditando nas promessas de revitalização do Comércio, mas, nada mudou e estou me afundando em dívidas, não estou ganhando, só perdendo dinheiro”, conta.

A Superintendência de Trânsito e Transporte do Salvador (Transalvador) informou que já concluiu a reforma na parte elétrica e mecânica dos bondinhos que compõem o Plano Inclinado Gonçalves, restando apenas reparos na chaparia e a pintura externa do ascensor. Entretanto, o equipamento ainda não voltou a funcionar devido a uma fissura na casa de máquinas, provocada por um problema estrutural no imóvel vizinho.

“Os serviços de sondagem das fundações da casa de máquinas já foram concluídos e a obra do reforço da estrutura deverá ser contratada até o final desta semana. Após a sua execução, o ascensor voltará a operar normalmente”, esclareceu em nota.

Compartilhe:

Deixe seu recado