Seminário e Encontro de Cipistas reúnem trabalhadores

“É de extrema importância este encontro porque ajuda na formação dos trabalhadores e permite levar o debate para as empresas e interior das lojas sobre a busca constante por um ambiente de trabalho que não adoeça e nem acidente os trabalhadores.”, afirmou Jaelson Dourado, presidente do Sindcom. “A Secretaria de Saúde está de parabéns por promover um evento de extrema importância para a categoria de lojistas e supermercados.”, falou Adilson Alves, presidente do Sintrasuper.

Doenças ocupacionais são causas de morte

Dados da Organização Internacional do Trabalho (OIT) apontam que 2,3 milhões de mortes, por ano, tem algum tipo de ligação com a atividade do trabalhador. No relatório, cerca de 2 milhões acontecem devido ao desenvolvimento de enfermidades e 321 mil são resultado de acidentes – cerca de uma morte por acidente para cada seis mortes por doença. “O cipista tem papel fundamental na prevenção do acidente e da doença ocupacional porque ele é o porta voz do trabalhador na intermediação das condições de trabalho. Iniciativas como estas são primordiais para promover a troca de experiências entre profissionais para que possam atuar na melhoria do ambiente de trabalho.”, destacou Nilvã Câmara, técnico de segurança do trabalho.

Maioria dos beneficios ocorrem por doença do trabalho

No Brasil, segundo a Previdência Social, a cada sete benefícios concedidos por afastamento relacionada ao trabalho, um é por acidente. De acordo com o órgão, estima-se, anualmente, o surgimento de mais de 160 milhões de casos de doenças do trabalho. Isso significa que 2% da população mundial, em média, é acometida por algum tipo de enfermidade devido à atividade que exerce. Entre as doenças que mais geram mortes de trabalhadores estão as que afetam pulmão, músculos e ossos e os transtornos mentais. Para o perito do Inss, João Pereira, o encontro promove interação e esclarecer dúvidas. “Esta é uma oportunidade de interação entre o Inss e a categoria comerciária no sentido de dirimir dúvidas e levantar questionamentos para que o trabalhador possa, cada vez mais, ter ciência dos seus direitos e a organização oferecer melhores serviços.”, completou o médico.

Compartilhe:

Deixe seu recado

Deixe seu recado