Sindicato pressiona e Ebal apresenta planilhas

Em reunião realizada na segunda feira (23/08) com o presidente da Ebal, Reub Celestino, e representantes do Sindicato dos Comerciários de Salvador foi apresentada uma planilha com relação de nomes e cálculos das perdas dos trabalhadores referentes ao não cumprimento dos dissídios coletivos no período de 94 a 2004. O documento foi encaminhado para conferência e o Sindicato espera avançar nas negociações para que enfim os comerciários possam receber os reajustes salariais não cumpridos pelas gestões dos ex-governadores César Borges e Paulo Souto, que inclui diferenças no FGTS, Férias + 1/3, 13º salário e aviso prévio, para os que

saíram da empresa.

A transparência nos cálculos individuais é uma reivindicação antiga do Sindicato que, em conseqüência do erro, abriu 10 processos contra a empresa. Julgados como procedentes pela justiça do trabalho, hoje estão avaliados em R$ 80 milhões e serão distribuídos para cerca

de 2000 trabalhadores em todo o Estado. “A nossa expectativa é realizar o quanto antes a negociação para que o valor determinado pela justiça seja pago o mais breve possível, o Sindicato vai trabalhar para isso”, afirmou Antonio Suzart, diretor do Sindicato dos Comerciários.

A Ebal tem procurado o Sindicato para acordos, mas a sugestão apresentada não interessa aos trabalhadores. A proposta da empresa é pagar metade do valor apurado parcelado por um período de 25 anos. O Sindicato não vai permitir esse absurdo! Os comerciários esperam os pagamentos há mais de 15 anos. Uma nova audiência foi marcada para 1º de outubro na Superintendência Regional do Trabalho, antiga DRT. “Esperamos que a empresa cumpra a promessa e apresente os cálculos e valores individuais de cada trabalhador prejudicado ao longo dos 10 anos de perdas”, completou Suzart.

Compartilhe:

Deixe seu recado