Solidariedade e protesto

Nesta sexta-feira (9), às 15h, centenas de sindicalistas e amigos de Paulo Colombiano e Catarina Galindo, saíram em passeata, do Campo Grande até a Praça da Piedade, e finalizaram o protesto em frente a Secretaria de Segurança Pública. O ato político exigiu rigor e agilidade nas apurações dos assassinatos de Paulo Colombiano, tesoureiro do Sindicato dos Rodoviários, e sua esposa, Catarina Galindo, mortos no dia 29 de julho.

O ato foi organizado pela CTB-Bahia (Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil – sessão Bahia) e contou com a participação de representantes de outras centrais sindicais, como a CUT e a Nova Central. Durante A CTB lançou uma nota pública à sociedade.

Vários dirigentes do Sindicato dos Comerciários de Salvador participaram do evento, levando a solidariedade da categoria aos familiares, amigos e sindicalistas que conviveram com Paulo Colombiano no dia-a-dia do movimento sindical baiano. “Os comerciários não poderiam deixar de participar desse ato. Também exigimos uma apuração rigorosa e ágil da polícia para que os culpados sejam identificados e paguem por esse atentado, não só aos dois companheiros, mas ao movimento sindical brasileiro”, afirmou Jaelson Dourado, presidente da entidade.

Veja a íntegra da nota pública da CTB:

NOTA PÚBLICA

CTB decreta luto em memória de Paulo Colombiano e Catarina Galindo, exige apuração rigorosa e punição aos assassinos e mandantes.

A Direção da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil – Regional Bahia e suas entidades filiadas, em todo o estado, consternadas, vêm a público denunciar a execução covarde e traiçoeira dos companheiros Paulo Colombiano e Catarina Galindo, diretor tesoureiro do Sindicato dos Rodoviários e sua esposa, dia 29 de junho, vítimas da intolerância dos que insistem em não conviver com a democracia, o debate das idéias, a ética e a dignidade.

Continuar na luta, com a qual eles tanto colaboraram, é o que os companheiros fariam diante das adversidades e das ameaças de seus algozes. O povo brasileiro, especialmente os sindicalistas classistas, choram seus mortos, mas não desistem dos seus ideais de liberdade, solidariedade e fraternidade.

O movimento sindical, que teve papel histórico na redemocratização do Brasil, que lutou pela anistia ampla geral e irrestrita, que luta incansavelmente pela consolidação dos direitos sociais para todos, não pode se calar diante da ação criminosa que ceifa a vida de seus filhos e entes queridos. Com a altivez que lhe confere a democracia, exige das autoridades constituídas apuração rigorosa e punição aos assassinos e mandantes, para que este duplo assassinato não seja mais um crime a cair no esquecimento, e assim fiquem livres os culpados.

A CTB conclama o povo baiano a cobrar celeridade nas investigações, juntando-se aos sindicalistas baianos, trabalhadores e trabalhadoras rodoviários, familiares e amigos de Paulo e Catarina, transformando este momento de dor e saudade em indignação, cobrando a apuração dos fatos e exigindo Justiça.

A Diretoria da CTB Bahia e entidades filiadas

Compartilhe:

Deixe seu recado