Trabalhadores do campo ocupam o Incra reivindicando negociação

O grupo espera ser recebido por representantes do órgão para tratar de questões relativas ao campo, como a reforma agrária. Na pauta constam ainda o pedido de criação de um “conselho de crise” em todas as unidades da federação, a instituição de uma ouvidoria agrária independente e o retorno do Ministério do Desenvolvimento Agrário – que passou a integrar a pasta Desenvolvimento Social e Agrário na reforma feita pelo presidente interino, Michel Temer.

Segundo a coordenadora nacional do Movimento Social de Luta no DF, Raquel Lima, os movimentos sociais planejam ocupar o prédio por cerca de duas semanas a um mês.

Os manifestantes são do Rio de Janeiro, Pará, São Paulo, DF, Goiás, Mato Grosso e Bahia. No início da manhã, parte do grupo levava barracas, botijões de gás e colchões para dentro do prédio do Incra e tomava café da manhã na recepção.

De acordo com lideranças do movimento, que incluí a Central de Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), a Central Única dos Trabalhadores (CUT), o Movimento de Resistência Camponesa (MRC), União de Resistência Camponesa (URC), Movimento de Luta pela Terra (MLT), Frente dos Trabalhadores Livres (FTL) e do Movimento de Luta pela Terra (MLT), os 21 andares do prédio continuarão ocupados.

Fonte: Portal Vermelho

Compartilhe:

Deixe seu recado