TST condena G Barbosa por revistar patinadora duas vezes por dia

O TRT baiano, ao julgar o caso, acolheu o recurso interposto pela empresa e julgou improcedente a ação trabalhista proposta pela empregada, que havia ganho na sentença o direito a indenização, e considerou que a empregada não conseguiu comprovar o abuso do G Barbosa. A Corte trabalhista baiana entendeu que o procedimento não era discriminatório, já que todos os trabalhadores eram submetidos a revista. Mas para o ministro Gandra Martins, o próprio acórdão do TRT destaca que a revista era feita durante o intervalo para o almoço e final do expediente por uma fiscal feminina, que passava as mãos na lateral do corpo, costas e cintura da empregada. O relator lembrou que a constituição garante à dignidade de pessoa e que, além disso, a Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT) proíbe ao empresarial a prática de revistas íntimas nas empregadas ou funcionárias.

Compartilhe:

Deixe seu recado