Wolf Maia, diretor da Globo, é condenado por racismo

A sentença, dada em Campinas, foi substituída pelo pagamento de 20 salários mínimos e por um período de trabalho comunitário ainda a ser estipulado. A defesa já recorreu da decisão.

De acordo com a sentença do juiz Abelardo de Azevedo Silveira, Maia teria chamado o técnico de “preto fedorento que saiu do esgoto com mal de Parkinson”. O caso aconteceu no dia 12 de agosto de 2000, em um teatro de Campinas que recebia Relax… It’s Sex, peça escrita e dirigida por Maia.

João Carlos de Lima Junior, advogado do diretor, afirma que o fato jamais existiu. “Wolf jamais agrediu alguém com conotação racista. Temos várias testemunhas que dizem que a injúria não aconteceu”, diz. “Temos certeza de que o nosso recurso será aceito”.

Compartilhe:

Deixe seu recado